Big Data: esqueça o volume e a variedade, concentre-se na velocidade - Deal Technologies
All You Need
In One Single
Theme.
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit, sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat
Search here:

Quando você pensa em Big Data, você pode imaginar os bilhões de linhas e petabytes de dados que muitas empresas estão lutando para gerenciar e processar regularmente. Você também pode pensar sobre os desafios de lidar com diversos dados não estruturados, como arquivos de áudio, vídeo, imagem e texto provenientes de um número cada vez maior de fontes. Nos três V’s de Big Data, os aspectos de Volume e Variedade recebem grande atenção. No entanto, você deve considerar examinar mais de perto a dimensão da Velocidade do Big Data – pode ter um impacto maior no seu negócio do que você pensa.

Em termos de velocidade e Big Data, é fácil imaginar o aumento da velocidade em que os dados estão sendo encontrados na maioria das organizações, especialmente de fontes de dados como as mídias sociais. No entanto, a velocidade também ressalta a necessidade de processar os dados rapidamente e, o mais importante, usá-lo em uma taxa mais rápida do que nunca. Esses desafios relacionados à velocidade são geralmente vistos como técnicos, mas muitas vezes é mais do que apenas tecnologia. As limitações de pessoas, processos e cultura podem reter sua empresa de uma perspectiva de velocidade e agilidade – independentemente da rapidez com que você colete e processe dados.

Dizem-se que os dados envelhecem como o vinho – o que significa que quanto mais tempo for mantido, mais informações você terá. Embora isso possa ser verdade para algumas formas de dados, esta analogia não se aplica a todas as situações. Muitos tipos de dados têm uma vida limitada, onde seu valor pode se deteriorar com o tempo – em alguns casos, muito rapidamente. Por exemplo, no varejo é melhor saber quais produtos estão fora de estoque em termos de segundos ou minutos em vez de dias ou semanas. Quanto mais rapidamente um revendedor reabastece seus produtos, mais rápido ele pode retornar as vendas.

Usando alertas em tempo real, o Walmart foi capaz de identificar um biscoito especial de Halloween que era popular na maioria de suas lojas – exceto dois locais onde não estava sendo vendido. Uma rápida investigação nesses dois locais revelou uma simples necessidade de ajuste de suprimentos para colocar os cookies nas prateleiras das lojas. Se o Walmart olhasse para este problema de estoque após o Dia das Bruxas, o valor do Big Data já teria desaparecido. A velocidade dos dados não se aplica apenas ao setor de varejo – pode se aplicar a diversos modelos e funções de negócios diversos.

Tomada de decisão de alta velocidade

Se a sua organização ainda está lidando com a forma de ser orientada a dados, o pensamento de operar a um ritmo ainda mais rápido com os dados pode ser desconcertante e intimidante – especialmente quando tratamos de tomada de decisão. Tradicionalmente, os tomadores de decisões empresariais estão acostumados a aguardar dias, semanas ou mesmo meses para ter ampla informação antes de poder tomar uma decisão de alta qualidade com base no desempenho. Para organizações de ritmo acelerado como a Amazon, a abordagem tradicional para a tomada de decisões é muito lenta.

Na carta recente do CEO Jeff Bezos aos acionistas da Amazon, ele enfatizou como a “velocidade importa nos negócios” e enfocou a importância da “tomada de decisão de alta velocidade”. Bezos sugeriu: “A maioria das decisões provavelmente deve ser feita em algum lugar em torno de 70% de informação que você gostaria que você tivesse. Se você esperar 90%, na maioria dos casos, provavelmente está sendo lento.”

Ninguém quer tomar decisões ruins. No entanto, constantemente ficar aguardando informações quase perfeitas pode levar a atrofia e perda de oportunidades. Para Bezos, é fundamental que as empresas sejam rápidas e corrijam decisões ruins. “Estar rápido e errado pode ser menos dispendioso do que você pensa, enquanto ser lento e certo será caro”.

Fonte: Forbes